Menu Principal
Portal do Governo Brasileiro
Logotipo do IPEN - Retornar à página principal

Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares

Ciência e Tecnologia a serviço da vida

Portal > Institucional > Notícias > Clipping de Notícias

Investimento em energia nuclear perde atratividade

Investimentos em energia solar no ano passado superaram os recursos investidos em energia nuclear

Fonte: Opinião e Notícia

A energia nuclear não é mais usada em grande parte do mundo. A proporção da eletricidade gerada por reatores nucleares diminuiu de 17,6% em 1996, seu mais alto patamar, para 10,8%. Mas a China, a Rússia e a Índia estão expandindo seus programas nucleares. E em diversos países no Oriente Médio assiste-se ao que alguns analistas denominaram de um "boom” de projetos de energia nuclear na região.

Alguns temem que isso possa causar uma corrida por armas nucleares, com os países sunitas opondo-se aos xiitas no Irã em busca da bomba atômica. O acordo nuclear entre o Irã e o Ocidente de certa forma diminuiu essas preocupações. O combustível nuclear na região é quase todo controlado por fornecedores internacionais. Além disso, existem razões legítimas para que os países do Oriente Médio procurem fontes alternativas de energia. A demanda por eletricidade está aumentando, assim como a pressão paradiminuir as emissões de gases efeito estufa; e as usinas nucleares atendem a esses dois requisitos. Segundo especialistas, a diversificação dos combustíveis fósseis é uma realidade palpável.

Com recursos escassos de petróleo e gás, o Egito e a Jordânia precisam da energia nuclear para garantir o fornecimento de energia elétrica. Porém os dois países enfrentam grandes obstáculos. O local escolhido pela Jordânia para instalação dos dois reatores nucleares, que serão construídos pela Rússia, além do problema da inexistência de água, necessária para resfriá-los, enfrenta a oposição da tribo local. Os projetos anteriores no Egito fracassaram por causa da instabilidade política e apreensão quanto à segurança. O financiamento também é um desafio para esses países com problema de liquidez, apesar de o Egito afirmar que custeará seu acordo com a economia proveniente da eletricidade mais barata.

Em longo prazo, a energia nuclear poderá ser uma fonte alternativa para a redução da emissão de dióxido de carbono. Porém é estranho que os países árabes não explorem a maior fonte de energia não poluente na região, o Sol. Segundo estimativas, a energia solar forneceria ao Irã 13 vezes mais energia do que sua necessidade energética total e, além disso, diminuiria a dependência do fornecimento de combustível nuclear da Rússia. A queda nos preços dos painéis fotovoltaicos atrai ainda mais o interesse pela energia solar. No mundo inteiro, os investimentos em energia solar no ano passado superaram os recursos investidos em energia nuclear.


Eventos