Menu Principal
Portal do Governo Brasileiro
Logotipo do IPEN - Retornar à página principal

Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares

Ciência e Tecnologia a serviço da vida

Portal > Institucional > Notícias > Em Foco

Biotério do IPEN apto para produção e manutenção de animais

Fornecer animais com qualidade genética e sanitária controladas para os testes de radiofármacos e para as pesquisas. Esse é o principal objetivo do Biotério do IPEN, após a recente obtenção do credenciamento definitivo do Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal (Concea), do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI).

O biotério é o local onde são criados e mantidos animais vivos de qualquer espécie para estudo laboratorial. É construído numa área física de tamanho, condições e divisões adequadas, material devidamente esterilizado, entre outras exigências. Os animais precisam de alimentação específica e é fundamental que haja temperatura controlada e iluminação artificial apropriada.

No caso do IPEN, o Biotério, que está vinculado ao Centro de Biotecnologia (CB), tem como foco as pesquisas desenvolvidas no próprio instituto, a maioria delas buscando novos fármacos e radiofármacos. De acordo com a pesquisadora Nanci do Nascimento, o processo de credenciamento teve início há dois anos e demandou uma série de procedimentos.

"Foi preciso apresentar a planta física, com todos os fluxos de entrada e saída, e descrever todos os procedimentos realizados rotineiramente, os equipamentos utilizados e os processos de esterilização dos materiais, além de criar a Comissão Ética para Utilização de Animais (Ceua)”, explicou Nanci, coordenadora do Biotério.

Atualmente, são produzidas uma linhagem de ratos Wistar (recebem este nome porque a linhagem foi desenvolvida no Instituto Wistar da Filadélfia, EUA) e 16 de camundongos. 

O credenciamento, que é a "licença” para um biotério funcionar, atesta a qualidade do trabalho realizado no IPEN. "Temos a certeza de que estamos trabalhando dentro das normas preconizadas pelo Concea, seguindo a DBCA [Diretriz Brasileira para o Cuidado e a Utilização de Animais para Fins Científicos e Didáticos]”, afirmou Nanci. 

O Concea confirmou o credenciamento em dezembro de 2014, mas o Ofício (no229/204-SE/CONCEA) notificando o IPEN da habilitação chegou no início de fevereiro.

Eventos