Menu Principal
Portal do Governo Brasileiro
Logotipo do IPEN - Retornar à página principal

Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares

Ciência e Tecnologia a serviço da vida

Portal > Institucional > Notícias > Em Foco

IPEN doa insumo para tratar bombeiros contaminados no trabalho de resgate em Brumadinho

Ácido dimercaptosuccínico (DSMA) é um agente que, quando ingerido, "sequestra" íons metálicos, formando quelatos que possibilitam sua eliminação pelo organismo.

O IPEN vai doar 2.500 gramas de ácido meso-2,3-dimercaptosuccínico 99% ao Grupo de Resgate e Atendimento às Urgências (GRAU), do Gabinete do Secretário de Estado da Saúde de São Paulo, para atender os bombeiros que trabalharam no resgate das vítimas de Brumadinho (MG). Parte foi entregue nesta segunda-feira, 25, à médica Cecília Damasceno, coordenadora do GRAU. Ela foi recebida pelo superintendente Wilson Calvo, pelo gerente do Centro de Radiofarmácia (CR), Efrain Perini, e pelo Diretor de Produtos e Serviços, Jair Mengatti.

Também conhecido por DMSA ou succcimer, o ácido é usado para tratamento de intoxicação por metais pesados, como chumbo, arsênico, mercúrio e cádmio. Quando ingerido, "sequestra" os íons metálicos, formando quelatos que possibilitam sua eliminação pelo organismo (daí o termo "agente quelante”). O IPEN vai doar o insumo em forma de sal, que será encapsulado pela Farmácia do Hospital das Clínicas, para então ser administrado em forma de comprimido pelos bombeiros que tiveram a presença desses metais confirmada em exames de sangue após os trabalhos.

Damasceno esteve no IPEN para receber inicialmente 50g de DMSA, do estoque da Radiofarmácia e também para as primeiras tratativas de um convênio entre o Instituto e o GRAU/Secretaria da Saúde, visando futuros fornecimentos em situações emergenciais como a de Brumadinho. Wilson Calvo explicou que, se não há um convênio firmado ou um projeto de pesquisa em vigor, qualquer órgão público que demande esse tipo de apoio institucional precisa fazer uma exposição de motivos da importância e da urgência da doação.

"O órgão precisa nos enviar a documentação com evidências do acidente, da comoção que causou na sociedade, dos danos à população local etc.. então, nós montamos um processo administrativo, juntamos todos os documentos, inclusive uma carta da Secretaria [de Saúde, no caso], avaliamos os custos e deixamos tudo registrado, para que, em uma eventual auditoria do TCU ou da CGU, tenhamos respaldo legal do recurso que saiu do Instituto como doação para um bem social”, disse o superintendente, referindo-se ao Tribunal de Contas da União e à Controladoria-Geral da União, respectivamente.

Somente o Estado de São Paulo enviou a Brumadinho 160 bombeiros, distribuídos em quatro turmas de 40. "Nós fizemos dessa maneira para que não ficassem expostos por mais tempo. Inclusive, essa última turma que foi nem levou o cachorro, porque os quatro cachorros já haviam trabalhado por cinco dias, dez horas de trabalho por dia, cada um. E nós colhemos sangue das duas primeiras turmas de bombeiros e cachorros, antes de irem e na volta, para dosar tudo. Felizmente, os nossos bombeiros não apresentaram contaminação”, disse Damasceno.

Segundo ela, o DSMA será destinado aos bombeiros de Minas Gerais, que apresentaram presença de metais pesados no sangue. Damasceno acredita que o fato de eles terem sido os primeiros a atuar pode ter contribuído para a contaminação. "Talvez eles também não tivessem efetivo para fazer o trabalho em rotatividade, como nós fizemos, e ficaram muito expostos, por muito tempo. Então, estamos providenciando o medicamento para eles”, destacou a coordenadora do GRAU, que não soube precisar o número de profissionais atingidos.

Damasceno salienta que a colaboração com o IPEN é "um passo importantíssimo” e vai garantir mais agilidade e eficácia no tratamento. "Antídoto para intoxicação tem que estar disponível para uso imediato. E o insumo que está sendo fornecido pelo IPEN é de suma importância para várias intoxicações, então, se fizermos um convênio de forma que a obtenção do insumo para virar comprimido possa ser mais ágil e com isso chegar às pessoas o mais rapidamente, o resultado será melhor e mais seguro para a população”.

Tanto o GRAU quanto o IPEN vão trabalhar para que o convênio seja efetivado o mais breve possível. "Nós temos firmado convênios com várias instituições de saúde, sempre buscando soluções que possam contribuir para o bem-estar social, que é a nossa missão. Vamos trabalhar para que esse convênio com a Secretaria também seja viabilizado o quanto antes”, afirmou o superintendente Wilson Calvo. "Que seja firmado em um futuro bem próximo, para a gente deixar segurança para o Estado de São Paulo e também para o Brasil, como esse suporte que demos a Minas Gerais”, acrescentou Damasceno.

Efrain Perini, gerente do Centro de Radiofarmácia do IPEN, destaca o compromisso institucional com a saúde da população brasileira, seja pelo fornecimento de geradores de Tecnécio (radioisótopo que serve como base para mais de 30 diferentes radiofármacos utilizados em cerca de 80% dos procedimentos adotados na medicina nuclear), seja pela pesquisa e desenvolvimento de novos radiofármacos, e agora, com a doação do DSMA para uso dos bombeiros.

"O sal que a Radiofarmácia usa para outra finalidade [para marcação com Tecnécio] pode ajudar o Brasil em situações emergenciais como essa de Brumadinho, que não é o primeiro caso de rompimento de barragem, infelizmente. Eu penso que o convênio permitirá ao IPEN e o Centro [de Radiofarmácia] cumprirem sua missão de atendimento ao público oferecendo soluções para a melhoria e o bem-estar do cidadão brasileiro”, conclui Perini.

----

Ana Paula Freire, jornalista MTb 172/AM
Assessoria de Comunicação Institucional

Eventos